Eu, Dom António d'Almeida (eh eh eh!) criei este blog para fomentar a troca de ideias sobre a sociedade actual...e tambem para dar umas boas gargalhadas.
.links
.arquivos

. Outubro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.VISITAS
Hit Counter
Free Counter
.Que horas são?
.posts recentes

. Mudanças...

. Waterloo 2010.

. A GAYZOADA

. AMANHÂ VENHAM APOIAR OS M...

. Esqueçam lá o "Estrelas"....

. VERGONHA!!!

. 1975

. " Ó tempo volta para trás...

. ORLANDO ZAPATA TAMAYO

. Fernando Nobre

blogs SAPO
Terça-feira, 13 de Novembro de 2007
CÓPIA A PRETO E BRANCO!

 

 

 

                                                     

      (...)O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, há mais de seis anos no poder, ameaça a estabilidade da América Latina com o financiamento e o apoio a grupos radicais de países vizinhos, a formação de uma milícia civil, o uso do petróleo para chantagear as repúblicas da América Central, a compra de armas e a aliança com a ditadura cubana de Fidel Castro, de quem está se tornando um clone malfeito e extemporâneo. Na Venezuela, Chávez adotou um governo centralizador, mudou as leis para controlar melhor a oposição e aumentou o tamanho do Estado, levando à derrocada de uma das mais antigas democracias da região. Resultado: a população ficou mais pobre, os investidores externos sumiram e a dívida pública aumentou.


O que aconteceu depois

     Chávez intensificou ações e bravatas, buscando assumir o papel de principal antípoda dos Estados Unidos. Assim, calculou, poderia angariar simpatia dos países pobres e em desenvolvimento. Nesse sentido, ele anunciou, por exemplo, a intenção de desenvolver um programa nuclear com apoio técnico do Irã — nação que mantém a comunidade internacional em alerta devido às evidências de que os aiatolás iranianos desejam armar um arsenal nuclear. A proposta foi uma clara provocação aos americanos, uma vez que não tinha qualquer respaldo do ponto de vista técnico. A Venezuela gera mais energia hidrelétrica do que precisa — uma parte é vendida ao Brasil — e dispõe da segunda maior reserva de gás natural do continente americano e da sexta maior de petróleo do mundo. A indústria petrolífera venezuelana nem sequer aproveita integralmente as cotas de exportação a que tem direito, por pura falta de investimento. A produção nacional caiu devido à decisão de Chávez de cancelar o plano da estatal PDVSA de investir 65 bilhões de dólares em seis anos para dobrar sua produção diária.

O coronel-presidente avançou de forma concreta, porém, no campo dos armamentos convencionais. Ele determinou a construção de uma fábrica de fuzis no país e a compra de 24 caças russos Sukhoi 30 — avançados jatos de interceptação e ataque capazes de voar a 2.500 quilômetros por hora e carregar 8 toneladas de mísseis e bombas inteligentes. Capazes de percorrer até 3.000 quilômetros sem a necessidade de reabastecer, os aviões poderiam ser usados para atacar todos os países vizinhos, a região do Caribe e até Miami, na costa sul dos Estados Unidos, o que aumenta o risco de instabilidade no continente. As compras incluíram ainda aviões cargueiros da Espanha, radares da Ucrânia e 36 blindados brasileiros, equipados com canhões que podem disparar até 1.000 tiros por minuto. A estratégia de Chávez é fazer ameaças e fomentar o medo para garantir que poderá continuar a estender seu poder.

      No campo da influência continental, os resultados foram ambíguos. Com dinheiro vindo do petróleo, Chávez patrocinou vitórias nas eleições presidenciais de apadrinhados na Bolívia, com Evo Morales, e Nicarágua, com Daniel Ortega, representante do sandinismo — movimento que conquistou o poder pelas armas nos anos 70 e arruinou o país com uma política econômica inspirada na cubana. Mas Chávez também colheu derrotas. Os limites da diplomacia dos petrodólares foram escancarados pelos resultados eleitorais no Peru e México — em que os favoritos de Chávez foram derrotados.

     Já a democracia doméstica sofreu duros golpes. Completando um ciclo na busca pelo poder absoluto, Chávez conquistou em eleições nacionais 100% das cadeiras na Assembléia Nacional — derradeira instituição em que a oposição ainda dispunha de alguma influência. Às vésperas do pleito, os partidos de oposição decidiram boicotar a votação em protesto contra a parcialidade da Justiça Eleitoral. Apenas um em cada quatro eleitores, por sua vez, compareceu às urnas, visto que o governo iria ganhar de qualquer jeito.

     À já existente censura à imprensa, Chávez adicionou a suspensão futura de concessões de TV – aplicável aos canais que desagradam o coronel-presidente. “Não podemos continuar a permitir que um pequeno grupo de pessoas use um espaço de transmissão que é do Estado”, alegou. O predicado “é do Estado”, na visão autoritária do coronel, deve ser entendido como uso exclusivo do presidente da República e seus coligados. Como as concessões da maioria dos canais vencem em 2007, a decisão equivale a cassar o direito de a oposição aparecer na televisão. O cerco está se fechando. Uma reforma no Código Penal aumentou as multas e sanções para os chamados “delitos de opinião” — basicamente, “difamar” ou “injuriar” membros do governo.

      Com o respaldo das urnas, o coronel-presidente conquistou o terceiro mandato, no final de 2006. Viu-se, então, à vontade para anunciar a intenção de torcer mais uma vez a Constituição, escrita por ele próprio, de forma a se manter no poder por quanto tempo quiser. As circunstâncias anunciaram-lhe ainda outra oportunidade — a de ocupar o papel que há décadas é de Fidel Castro, o octogenário ditador de Cuba que desapareceu do cenário político devido a uma doença no intestino. Sem Fidel, Chávez se apresentou como novo farol da esquerda revolucionária na América Latina. "Ninguém vai me impedir agora de construir o socialismo", disse às vésperas da terceira posse. No mesmo momento, anunciou ainda que iria multiplicar seus poderes: cobrou do Congresso autonomia para governar por decretos, ficando, assim, livre do saudável debate democrático. Se ganhar dos legisladores a força para legislar sem eles, promete estatizar os setores de energia elétrica e telecomunicações venezuelanos...

                                                                                 in VEJA.

        Não querendo ser repetitivo é minha convicção expôr no meu blogue a personagem maligna e ditatorial de Hugo Chavez.

     Facções existem que continuam a querer fazer deste pseudo-democrata um ícone da liberdade e da igualdade na América do Sul tendo a grandiosa ajuda de uma imprensa tendenciosamente de esquerda.

     É assustador observar como certos opinion makers conseguem ludibriar as opiniões dos menos informados com a máxima de que ser contra Bush é ser boa pessoa. É aqui que tudo se torna turvo, com a hipócrisia e o cinismo intelectuais a vir ao de cima, defendendo um homem que constantemente atropela a tal democracia que tanto proclamam e defendem na Europa Ocidental. 

     Uma cópia a preto e branco do original...Fidel Castro, um autêntico cãozinho amestrado, por sinal de circo e com alta tendência para a palhaçada.

     O texto é ilucidativo do que Chavez quer fazer e qual o seu sonho diabólico...uma horrenda ditadura não muito diferente da antiga ditadura comunista soviética... mas para o bem de todos nós destinada ao fracasso!

    

 

 

publicado por toalbanosoares às 23:36
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links